A QUESTÃO AGRÁRIA BRASILEIRA NA OBRA DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO

Lucas Guedes Vilas Boas, Larissa Oliveira Souza

Resumo


No decorrer dos decênios, a conjuntura agrária brasileira experimentou diversas transformações, especialmente com a adesão ao pacote tecnológico oriundo da Revolução Verde. No entanto, algumas características permanecem no campo e na agricultura nacionais há décadas, como a elevada concentração fundiária, a degradação ambiental, a desigualdade, a violência e a exploração do trabalho agrícola. Diversos literatos, como Euclides da Cunha, João Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, Rachel de Queiroz e João Cabral de Melo Neto, descrevem em suas obras importantes aspectos associados à questão agrária, sobretudo no Nordeste brasileiro. Sob esse prisma, o objetivo do estudo foi identificar e avaliar os principais elementos da problemática agrária nacional presentes nos textos de João Cabral de Melo Neto, cuja obra denuncia vários problemas que assolam o campo brasileiro. Nesta perspectiva, foram analisadas as seguintes obras de sua autoria: O rio (1953) e Morte e vida severina (1955). A pesquisa bibliográfica foi o principal procedimento metodológico adotado, com o intuito de conjugar referências bibliográficas concernentes à agricultura e ao campo nacionais a textos científicos que discutam a obra de Melo Neto na análise dos textos escolhidos. Ademais, a análise documental também integrou a metodologia da pesquisa.

Palavras-chave


Questão agrária; João Cabral de Melo Neto; O Rio; Morte e Vida Severina; Brasil.

Texto completo:

HTML PDF


DOI: https://doi.org/10.36026/rpgeo.v7i1.5057

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Presença Geográfica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

INDEXADORES E BASE DE DADOS