EDIÇÃO ESPECIAL ABRIL INDÍGENA 2021 - POVOS ORIGINÁRIOS: RESISTÊNCIAS E PROTAGONISMOS GEOGRÁFICOS

A Revista Presença Geográfica – RPGeo é uma publicação eletrônica, do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Geografia da Universidade Federal de Rondônia – PPGG/UNIR, apresenta seu Edital para Edição Especial Abril Indígena 2021 e tem a honra de convidar autoras e autores a apresentar seus artigos relacionados à temática central “Povos originários: resistências e protagonismos geográficos”. Interessam-nos para esta Edição artigos resultantes de investigações científicas, qualitativas e/ou quantitativas, assim como textos eminentemente teóricos, além de narrativas (história oral) produzidas pelos indígenas. Os artigos podem ser apresentados nas seguintes línguas: portuguesa, espanhola, inglesa, francesa. No caso de autores indígenas serão aceitas versões na língua materna, de seu país de origem e mais a língua portuguesa.


Povos originários: resistências e protagonismos geográficos


Os povos originários ou indígenas ao longo de sua trajetória têm resistido e produzido resiliências em meio a tantas adversidades, seja no enfrentamento de garantia de seus territórios, de suas culturas, de seus modos de vida, bem como buscam estratégias de se colocarem como protagonistas de sua própria vida. Isto resulta de suas experiências, as quais promovem conhecimentos acumulados e continuamente reaplicados em sua relação com a natureza, cujas percepções e representação de seu mundo “se misturam com sua vida orgânica e psíquica, a tal ponto que é impossível separar o mundo exterior dos fatos propriamente humanos” (DARDEL, 2011[1952], p.48).
Ao refletir sobre a relevância sobre os povos originários a Revista Presença Geográfica lança o desafio de realizar seu número especial com o objetivo de refletir sobre o contexto geográfico e histórico, sobre a situação em que esses povos se encontram no Brasil e no mundo, bem como das perspectivas frente aos desafios e complexidades que se colocam sobre o Planeta. Neste sentido, apresentamos como subtemas:


1. Representações culturais, etnoconhecimentos e espiritualidade:

Insere-se como essencial no desvelamento das manifestações e representações culturais, nas quais se fazem presentes não somente os elementos e fenômenos simbólicos (inclusive a espiritualidade), mas ainda a
diversidade e multiplicidade de conhecimentos originários, como resultado de suas experiências e vivências espaciais/territoriais.
Artigos que versem sobre: Discussões do mito, razão, magia, ação; narrativas míticas; História e memória; ritual; identidades passadas, presentes e emergentes; etnofarmacopéia, fitoterapia indígena e etnobiologia; sistemas locais de cura e xamanismo; Geografia e Antropologia do cristianismo, ou seja, religiões e conversões para os povos indígenas.


2. Espaço, Lugar, Modos de vida e Bem Viver:

Objetiva refletir sobre suas concepções e apreensões de mundo, os arranjos espaciais/territoriais, bem como as relações estabelecidas com a sociedade não indígena.
Artigos que tratem sobre: moralidade e comunidade; problematizem o bem viver, seja o tekove porã Guarani; o suma qamaña aimará, o sumak kawsay quechua ou outros modos de comunalismo no Equador, na Bolívia e em outros países; planos de vida e de Gestão Territorial e Ambiental, além de diversos modos de hibridização conceitual na descrição dos modos de vida indígenas; papel dos movimentos indígenas na construção e avanço de projetos alternativos; relação entre linguagem, cultura e sociedade; significados do espaço para os povos indígenas; sociedade, natureza e meio ambiente; Geografia e Antropologia (articulação entre essas duas ciências) da técnica e conhecimento prático; múltiplas características assumidas pelos lugares e paisagens: lugares sagrados (topônimos, fluvionímias), narrativas míticas e sagradas sobre a origem dos povos e sua relação com a natureza, lugares protegidos (Terras Indígenas, Unidades de Conservação Ambiental), lugares de pesquisa (trabalho de campo); discussões sobre unidade e rede social entre os povos indígenas; indigeneidade das paisagens; turismo e festivais comunitários.


3. Gênero e sexualidades:

Histórica e socialmente, homens e mulheres possuem papeis distintos, o que torna as relações harmônicas ou conflituosas. Com os povos originários não seria diferente, todavia ocorrem ajustes nas culturas, além da busca de direitos, os quais produzem reconfigurações no modo de pensar e de enfrentar novos desafios dentro e fora das espacialidades/territorialidades desses povos. Assim, o subtema é de especial relevância para conhecer e refletir como essas populações possuem acerca de sua organização no quesito gênero e sexualidades.
Artigos que abordem sobre: História da sexualidade (indivíduo, anatomia, disciplina); produções de beleza nas sociedades indígenas, corpo e território; percepções de si (self); divisão sexual nas coletividades indígenas; protagonismo político das mulheres indígenas; Indígenas LGBTQI; Geografia das emoções; corpo e pessoa; empoderamento; novas tecnologias reprodutivas; empatia, simpatia e outras vivências.


4. Saúde e Educação:

A compreensão sobre saúde e educação, assim como a Natureza, para os povos originários é vista e tida como interdependentes e apresentam como fruto de suas vivências e experiências. Como exemplo, a floresta é a provedora de inúmeros alimentos e remédios, ao mesmo tempo é o espaço de ensino e aprendizagem, o lugar de moradia, ou seja, onde a vida e as relações acontecem.
Artigos que discutam sobre: políticas de saúde para os povos indígenas na América Latina; especial COVID-19 e povos indígenas: etnografias sobre COVID-19, história e controle de epidemias; pandemia e território, produção de dados; relações de gênero e educação; infância e cultura; educação escolar indígena; indígenas no Ensino Superior e Formação de Professores Indígenas; Violência na escola; Calendário, currículo e povos indígenas.


5. Resiliência/resistência territoriais e Protagonismo político e social:

Em razão da defesa de suas terras, tanto no passado, quanto no presente, os povos originários desenvolvem estratégias que buscam garantir o direito à terra, à vida, à cultura, à espiritualidade. Neste sentido, procuram aliados e desenvolvem projetos que apontam perspectivas de autonomia para o desenvolvimento de seus territórios com integridade e proteção física, assim como para a continuidade de seu bem viver, com qualidade de vida individual e coletiva.
Artigos que reflitam sobre: direitos indígenas e contexto global, tais como: Noções de “centro" e “periferia" ou “colônia" e “metrópole" compreendidos como polos ideias de um campo instável e hierarquizado; surgimento do Estado e chefias indígenas; cultura ancestral/tradicional e expressão das identidades; Geografia indígena e mapeamento das Terras Indígenas; deslocamentos; Terra/Território; "Native Title”; Kastom; questões de propriedade e pertencimento; estudos de fronteiras (nacionais e interétnicas) e as diferenças entre sistemas políticos e etnicidade; política em nível local: intermediários, manipulações e interstícios sociais; discursos do desenvolvimento e infraestrutura; Conversão, colaboração em pesquisa, diálogo e equivocação; modos de empreendimentos indígenas; projetos de "desenvolvimento comunitário”; candidaturas indígenas nos municípios; reflexões sobre movimentos indígenas regionais, nacionais ou internacionais (COIAB, APIB, COICA, AIDESEP, etc.).


6. Os povos originários e sua voz:

Dentro de sua política inclusiva e de valorização dos povos originários a Revista Presença Geográfica contemplará artigos e relatos produzidos por iniciativa dos povos originários sobre quaisquer temas relacionados ao número especial em questão. No caso serão aceitos na língua portuguesa e materna.


INFORMES DA EDITORIA
O artigo acadêmico deverá seguir as normas da ABNT 6023 de 2018 e das normas técnicas de publicação da Revista, disponível em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/RPGeo/about/submissions#onlineSubmissions.

** Os artigos poderão ter no máximo quatro autores;
** Cada autor poderá participar de um artigo como autor principal e até dois artigos como coautor;
** Prazo para o envio do artigo: 21 de janeiro de 2021.
**Previsão de publicação: mês de abril de 2021
O artigo deve ser enviado pelo sistema de submissões on-line da Revista.


Atenção: No ato da submissão, os autores devem comunicar ao editor (no item “Comentários para o Editor” que o manuscrito deverá ser avaliado para a Edição Especial Povos originários: resistências e protagonismos geográficos, bem como indicar o respectivo número e nome do subtema).


Atenciosamente,


Equipe Editorial


EDITOR DA RPGeo
Prof. Dr. Josué da Costa Silva


ORGANIZADORES DO NÚMERO ESPECIAL
Prof. Dr. Adnilson de Almeida Silva
Profª Drª Maria das Graças Silva Nascimento Silva
Dr. Daniel Belik (Pós-Doutorando – PPGG/UNIR)