Parintins, entre a capital e a selva, a cidade-flutuante

Karina Marques

Resumo


O romance Um pedaço de lua caía na mata (1990) do escritor manauara de origem judaica sefardita, Paulo Jacob, faz uma  análise da cidade de Parintins, no contexto da época gomífera. Proclamado como o primeiro romance autobiográfico do autor, a obra revela-se ser, no entanto, um texto de denúncia, em que a cidade se ergue como personagem, em corpo político e social. Dividida entre os espaços geoeconômicos das capitais regionais e da selva e as disputas políticas entre o coronel da borracha local e o governador do estado, Parintins é um território fragmentado, marcado pela usurpação e pela violência. Nesse contexto, o protagonista judeu Salomão (o clandestino de fora), alia-se ao índio Jauaperi (o clandestino de dentro), na luta por uma cidade mais justa, independente e inclusiva. Na análise que proponho, a imagem do caçador furtivo de Simon Harel (“migrant braconnier”) pode ser usada como chave de interpretação para a estratégia de reapropriação territorial proposta por Jacob. Munidos de um sentimento de despossessão partilhado, autóctone e alóctone seriam os símbolos de uma força transgressora somada, essencial na luta contra a opressão endógena e exógena sobre Parintins.

Texto completo:

PDF




RE-UNIR - Revista do Centro de Estudos da Linguagem da Fundação Universidade Federal de Rondônia- ISSN 2594-4916

Indexadores:

   

 

Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.