A CONSTRUÇÃO SOCIAL DA DOENÇA

Débora Évelin Ferreira Monteiro, Dante Ribeiro da Fonseca

Resumo


O objetivo da pesquisa se concentrou em buscar nas fontes primárias as teorias raciais que associam o conceito de raça ao de doença durante os séculos XVIII e XX, rastreando a origem e evolução das principais moléstias que afligiam não só os negros escravizados como também os indígenas no espaço amazônico. Vale ainda ressaltar a relevância da pesquisa, dada a escassez de estudos, de dados e de documentação no tocante à vinculação das questões étnico-raciais e sanitárias na Amazônia. Desde o período colonial até grande parte do segundo reinado as doenças e a saúde são caracterizadas, associadas e identificadas através de fatores raciais e étnicos vigentes. Assim a saúde é caracterizada como um fator social e a doença passa a estar relacionada com a natureza biológica. O estudo crítico dos viajantes que percorrem a Amazônia entre os séculos XVIII e XX revela, contrariamente, que a questão fundamental das doenças na Amazônia não se vinculava à “fraqueza biológica” de determinadas “raças”, mas a fatores sociais e ambientais que as propiciavam.

Palavras-chave


Teorias raciais, populações afro-amazônicas, doenças.

Texto completo:

PDF


Campus da Universidade Federal de Rondônia

Centro de Documentação e Estudos Avançados sobre Memória e Patrimônio de Rondônia - CDEAMPRO

BR 364, Km 9,5 - CEP: 78900-000 - Porto Velho - RO

E-mail: luciano_leal_lima@msn.com