PRODUÇÃO DE FORRAGEM DO CAPIM TANZÂNIA. VALOR NUTRITIVO E INDICAÇÃO PARA O DIFERIMENTO

Eder Bianchini, Richard dos Santos Nicolini, Jairo Rafael Machado Dias, Adjalma Campos França Neto, Elvino Ferreira

Resumo


Objetivou-se com esse trabalho, avaliar em época seca, a produtividade e na qualidade da forragem produzida em capim Panicum maximum cv Tanzânia. Usou-se o delineamento em blocos ao acaso com oito repetições. Os blocos eram de 3,0 x 5,0 m (15 m2), sendo formadas por sete linhas distantes 0,50 m entre si. A área útil foi representada pelas linhas centrais. Foram avaliados cinco tratamentos de cortes nas idades de 21, 42, 63 e 84 dias a partir do corte inicial, de uniformização (27.02.2009). Avaliou-se a % de matéria seca (%MS), % de proteína bruta (%PB) e % de fibra em detergente neutro (%FDN), sendo então calculados os níveis de nutrientes disponíveis como indicação ao diferimento. Pode ser verificado que aos 21 dias o principal fator limitante é a quantidade de energia (20,94 UA.ha-1) seguida da produção de matéria seca (22,14 UA.ha-1). Aos 42 dias, este passa a ser a proteína (32,09 UA.ha-1) e energia (32,61 UA.ha-1) e aos 63 e 84 dias a proteínas permanece como o fator limitante para a lotação dos animais.

Texto completo:

PDF


Contador de Acessos/ Access Counter


Mapa de Acessos/ Access Map