Onomástica, uma ciência para a autoidentificação de Rondônia / Onomastics - a science for Rondonia’s self identification

Júlio César Barreto Rocha, Elis Monique de Vasconcelos Galvão, Maurício Costa Gonçalves

Resumo


A Onomástica, disciplina onipresente nos espaços internacionais das Letras (porque fora do Brasil sabe-se da sua importância para a identificação cultural de um povo), não se encontra fácil ou comumente nos debates nas escolas ou nos cursos de graduação brasileiros. Ela é na realidade uma ciência definitória de cada indivíduo mas também de uma coletividade e do próprio país, quando convertido em Estado-nação moderno: O nome do país é uma senha obrigatória que vincula cada cidadão ao Mundo Global, válida para todos e para sempre. No mundo todo, os países possuem vizinhos sempre com algum grau de conflitividade com outros povos com os quais disputam territórios, signos e ícones históricos. Por infortúnio (ou talvez por fortuna), no Brasil, nos conteúdos programáticos das disciplinas de graduação das Humanidades (Letras, Ciências Sociais, Pedagogia, etc.), não dispomos de materiais capazes de valorizar, do modo como se deveria, a denominação dos lugares e mesmo de pessoas. Neste texto, recolhemos resultados alcançados por algumas equipes que, nos últimos três anos, se debruçaram sobre a Toponímia e a Antroponímia na Amazônia, especialmente começando concretamente da cidade de Porto Velho.

Palavras-chave: Onomástica. Toponímia. Antroponímia. Amazônia. Cultura.

ABSTRACT: Onomastics, an ubiquitous discipline in international spaces of Letters (outside of Brazil it is known its importance to the cultural identification), is not easy or often found in schools or in the debates in undergraduate courses in Brazil. It is actually a science that defines each individual but also a community and the country itself, when converted into modern nation-state: the country's name is a password to link every citizen to the Global World, valid for all and forever. Worldwide, neighboring countries have always had some degree of conflict with other people with whom they compete for territory, signs and historical icons. On the misfortune (or perhaps fortunately), in Brazil, the program content of graduate courses in the Humanities (Letters, Social Sciences, Education, etc.), we have no material able of enhancing, the way it should, the name of places and even from people. In this paper, we collect results for some research groups that over the past three years, have focused on the Toponymy and Antroponymy in the Amazon, beginning from the city of Porto Velho.                                                                                                   

Keywords: Onomastics. Toponymy. Antroponymy. Amazon. Culture.

 


Texto completo:

PDF


Revista da Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa  (PROPESQ/UNIR)

www.propesq.unir.br