A SAÚDE DO CURRICULO ESCOLAR EM ANGOLA: CONTRIBUTOS PARA UMA COMPREESÃO E REFLEXÃO CRÍTICA

ANTÓNIO LUIS JULIÃO

Resumo


A educação, que tem estado a enfrentar novos desafios em quase todo mundo, é o coração que bombeia o sangue do desenvolvimento de qualquer sociedade. O currículo, como o pulmão do processo educativo, precisa sintonizar-se aos tempos que pululam, tendo em conta as necessidades reais de cada região. Inserida nesta lógica, o artigo 105º, da Lei nº 17/16 de 7 de Outubro do Sistema Educativo angolano contrasta com esse raciocínio ao colocar a tónica num currículo monocultural e de cumprimento obrigatório para um contexto plural e multifacetado. Neste sentido, o presente artigo propõe lançar um olhar crítico e reflexivo sobre a vitalidade do currículo angolano, gerando novas lentes de compreensão e subsídios no domínio da investigação sobre as questões curriculares. Os procedimentos metodológicos que nortearam a pesquisa foram o método dedutivo com abordagem qualitativa, pesquisa bibliográfica e documental, utilizando como colecta de dados, fontes primárias e secundárias por meio da revisão de literatura. No âmbito da tirania da inevitabilidade, os dados sugerem que, o currículo angolano, de tradição centralista e monocultural, precisa de alguns cuidados especiais, por possuir uma impressão digital ditatorial, por funcionar como uma camisa de força, por não dialogar com as diferentes culturas, desconsiderando as especificidades regionais, os talentos e os interesses, tanto dos alunos, quanto dos contextos, impondo-lhes de forma dissimulada uma cultura alienígena. Para isso, propomos a ressignificação das políticas e práticas curriculares assentes num currículo nacional de força mínima e partilhada, de inspiração multicultural, abrindo espaços para ecoar a voz e o grito das diferentes culturas, se quisermos desenvolver tanto as comunidades, quanto a qualidade do nosso sistema educativo.

Palavras-chave


Currículo. Política Educativa e Curricular. Contexto. Diversidade. Descentralização.

Texto completo:

PDF


Periódico com início em 2018.  Avaliação Qualis 2017-2018-  B3
Indexado em: