DIÁLOGOS ENTRE EDUCAÇÃO CRÍTICA E TECNOLOGIAS

Rubens Prawucki

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar criticamente, a partir de um questionário aberto respondido por um grupo de professores/as de um dos campi do Instituto Federal Catarinense, quais possíveis diálogos esse grupo estabelece entre educação crítica e tecnologias na sua prática pedagógica. Mediante o objetivo acima, surgem algumas questões que norteiam este movimento de pesquisa: 1- O que esses/as professores entendem por educação crítica? 2- E, segundo eles/as, que exemplos de atividades desenvolvidas com a utilização de tecnologias em suas aulas, potencializam a educação crítica entre seus/suas alunos/as? As conclusões da pesquisa apontam que teoricamente é possível aproximar estas duas áreas do conhecimento – tecnologias e educação crítica. Nas respostas ao questionário, os/as professores demonstram aproximações com os conceitos de tecnologias e de educação crítica, no entanto, ao explicitarem exemplos de atividades de sala de aula, revelam na sua maioria, pouca articulação entre esses conceitos. Essa pouca conexão entre tecnologias e educação crítica em atividades práticas ocorre, no meu ponto de vista, devido a uma certa carência de formação inicial e/ou continuada voltadas para o ensino e a aprendizagem com tecnologias. Propostas de formação continuada de professores/as que discutam, a partir de uma perspectiva teórico-prática, tecnologias como potencializadoras de uma educação crítica, podem ser elementos-chave para diálogos mais produtivos entre essas duas áreas do conhecimento.                                                

 


Palavras-chave


Educação Crítica. Tecnologias. Professores.

Texto completo:

PDF


Periódico com início em 2018.  Avaliação Qualis 2017-2018-  B3
Indexado em: