A imagem do negro sobre si mesmo: resultados da colonização em “Como fazer amor com um negro sem se cansar” de Dany Laferrière

Fernanda Dias da Silva, Marília Lima Pimentel Cotinguiba

Resumo


Esse texto propõe uma reflexão q respeito do pensamento do negro sobre si mesmo por meio da análise de trechos do capítulo “Como uma flor na ponta do meu pau negro”, do livro “Como fazer amor com um negro sem se cansar do escritor haitiano Dany Laferrière, a luz da teoria pós-colonial, especialmente do exposto no livro “Pele negra máscaras brancas”, escrito pelo martinicano Frantz Fanon. Ambos tratam das relações entre raças, o primeiro sob uma perspectiva literária e o segundo por meio de análises psiquiátricas do efeito do colonialismo nos colonizados. Analisar o livro de Laferrière sob a perspectiva pós-colonial tornou possível identificar traços do arsenal de preconceitos derivados da colonização, que fazem o negro desejar tornar-se branco, como se houvesse um tipo de racismo de si mesmo. O conceito de racismo utilizado foi o descrito por Albert Memmi (1977), que o define como um conjunto de condutas que são aprendidas tanto por negros como por brancos desde a infância. O desejo de branqueamento evidenciado nas obras de Laferrière e de Fanon é consequência dessas condutas racistas, portanto, é compreensível que ele exista, contudo, é necessário que o próprio negro se posicione e empreenda uma mudança na sociedade.

Texto completo:

PDF


INDEXADORES

Logo Latindex    

Logo DIADORIM

contador de visitantes