“Não são indígenas, são paraguaios”: territórios e identidades na fronteira

Rosely Aparecida Stefanes Pacheco

Resumo


Os Guarani, no século XVI, ocupavam um amplo território nas terras baixas da América do Sul, que ia desde o litoral de Santa Catarina, ao longo do Rio Paraguai, Paraná, Apa, Miranda e Pilcomayo, chegando até as franjas da cordilheira dos Andes. Entretanto, as fronteiras Guarani, num passado relativamente recente, passaram a confrontar-se com as fronteiras construídas pelos Estados nacionais e, também, com frentes econômicas de exploração, alterando e desfigurando antigas fronteiras indígenas. Diante dessas considerações, este trabalho tem entre seus objetivos demonstrar como esses povos por meio de suas mobilizações territoriais, seguem mantendo suas dinâmicas de (re)definição das fronteiras territoriais. Reelaboram, com base na identidade e pertencimento seus territórios (tekoha). Nesse sentido, entende-se importante trazer ao debate algumas noções sobre territórios, identidades e fronteiras.

 


Palavras-chave


Guarani Kaiowá, processo de territorialização, identidade, fronteira

Texto completo:

PDF


INDEXADORES

Logo Latindex    

Logo DIADORIM

contador de visitantes