REPRESENTAÇÕES DE UNIVERSITÁRIOS SOBRE VALORIZAÇÃO DAS CULTURAS DAS CIVILIZAÇÕES

SUELY A. DO N. MASCARENHAS, ZUILA GUIMARÃES COVA DOS SANTOS, DANIEL NIVAGARA, ADRIÁN CUEVAS JÍMENEZ

Resumo


Sabemos que justiça é assegurar a cada ser humano o que lhe pertence - soberania, liberdade, dignidade. A valorização e reconhecimento das culturas e fronteiras que nos unem como família humana são extremamente importantes para o bem comum de todos. Historicamente o imperialismo econômico, fundamentado na política de colonização, articulado ao longo de milênios, insiste em tentar oprimir e extorquir do ser o humano o que lhe faz humano: o tempo (vida), a soberania, a criatividade e a liberdade. Historicamente fracassou e continuará a fracassar. Pois, o ser humano, por sua consciência e dignidade, mesmo sob grilhões jamais perde sua essência: liberdade, soberania, liberdade, criatividade, criticidade, força e poder. Este artigo, realizado ao abrigo do PROCAD/AMAZONIA, CAPES/UFAM/UFMT/UFPA (Ref. Proc. 8881.314288/2019-0), objetiva apresentar e discutir representações de universitários sobre a valorização do conjunto de culturas historicamente existentes nas sociedades onde se inserem. Participaram desta fase da investigação n=881 universitários do sexo masculino e do sexo feminino, integrantes de diferentes universidades de países de língua portuguesa e espanhola. A participação foi voluntária e anónima por meio da resposta ao instrumento de coleta de dados divulgado pela internet. O tratamento foi realizado com apoio do Excel e SPSS de acordo com os objetivos da pesquisa. Os resultados demonstram diferentes representações sobre o fenômeno da valorização das culturas dos territórios colonizados evidenciando a importância da ampliação dos debates e diálogos associados ao impacto dos eventos históricos sobre os indicadores de bem estar das diferentes sociedades que integram a família humana.


Texto completo:

PDF

Referências


BALLESTRIN, Luciana. A américa Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, nº11. Brasília, maio - agosto de 2013, pp. 89-117.

CASANOVA-GONAZÁLES, Pablo. De la sociología del poder a la sociología de la explotación : pensar América Latina en el siglo XXI /Siglo XXI Editores ; Buenos Aires : CLACSO ; 2015.

CASTRO. Josefina Granja. El pensar sistémico. Metapolitica, Volumen 5, octubre/diciembre, 2001, pág. 90-115. ISSN 1405-4558.

FANON, Franz . Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2010.

GROSFOGUEL, Ramón. Del “extractivismo económico” al “extractivismo epistémico” y al “extractivismo ontológico”: una forma destructiva de conocer, ser y estar en el mundo. Tabula Rasa. Bogotá – Colombía, No. 24, 123-143-, Enero-junio, 2016. ISSN 1794-2489.

LEÓN-PORTILLA, Miguel. Visión de los vencidos relaciones indígenas de la conquista, 28ª edición, Universidad Nacional Autónoma de México, ciudad de México, DF, 2006.

MASCARENHAS, S. A. DO N. Avaliação longitudinal de variáveis cognitivas e contextuais do ensino superior analisando seus efeitos sobre o bem estar e o rendimento acadêmico, Base de dados, Brasil/México, PROCAD/AMAZÔNIA-PPGEUFAM/UFPA/UFMT, Processo CAPES 8881.314288/2019-0, Não publicado, 2019

OBREGON, Luis González. Proceso inquisitorial del cacique de tetzcoco. Congreso internacional de Americanistas, A.C/Lito Nueva época, México, DF, 2009.

RODNEY, Walter, Como Europa subdesarrollo a África, Editorial de ciencias sociales, Ciudad de La Habana, 1981.

SEN. Amartya. Desenvolvimento como liberdade, São Paulo, Companhia das Letras, 2010.

TRUEBA. César Carrillo. El racismo en México. Una visión sintética. Ciudad de México: EDIMPRO, S.A, 2009.

VILLEGAS, Daniel Cosió; BERNAL, Ignacio; TOSCANO, Alejandra Moreno; GONZÁLEZ, Luis; BLAQUEL, Eduardo Y MEYER, Lorenzo. Historia mínima de México, 2ª edición, 17ª reimpresión, El colegio de México, Ciudad de México, DF, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Culturas & Fronteiras