INDÍGENA NO ENSINO SUPERIOR: CAMINHOS PERCORRIDOS PARA ACESSO À UNIVERSIDADE

Alberlândia Lima Bernardo

Resumo


Este texto enfatiza a trajetória escolar e acadêmica de uma estudante autodeclarada indígena que ingressou no ensino superior em busca de formação profissional e transformação da realidade vivenciada por ela diante dos preconceitos étnico racial. O objetivo principal foi compreender a trajetória frente aos desafios pessoal, social e cultural que permeiam nos espaços das instituições de ensino, tanto da educação básica quanto da educação superior. O texto foi construído com base no relato da personagem Fimy, onde enfatiza seu percurso escolar e acadêmico com o propósito de socializar a importância de investimentos no desenvolvimento profissional de pessoas que vivem à margem do processo educacional, no contexto chamado das minorias ou menos favorecidas. Não se pode negar que são vários os fatores que interferem na presença de indígenas no ensino superior. Os aportes teóricos que fundamentaram o texto foram baseados em SECCHI (2007); FORTUNATI (2007); Vasconcelos (2016); LOPES e MCEDO (2011) entre outros, além de documentos oficiais que retratam a temática. Os relatos da personagem evidenciaram várias experiências negativas que poderiam tirar o foco dos objetivos por ela traçados, porém ser indígena não foi obstáculo para dar continuidade aos estudos. Pode-se dizer que firmeza e resiliência frente aos desafios por sua condição étnica racial foram fatores propulsores para seu ingresso no ensino superior. As experiências evidenciadas no relato ajudam-nos a refletir sobre as condições dadas para o ingresso e a permanência de estudantes indígenas em níveis mais avançados de escolarização.


Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, Cleverson; KELLER, Vicente. Aprendendo a aprender: introdução à metodologia cientínfica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

BRASIL. Fundação Nacional do Índio – FUNAI. Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/todos-ouvidoria/23-perguntas-frequente/97-perguta-3. Acesso em: 09 jul. de 2019.

BRASIL. Edital 06/2018. Programa de Residência Pedagógica. Fundação CAPES. Disponível em: http://www.capes.gov.br/pt/educacao-basica/programa-residencia-pedagogica. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 08 jul. 2019.

BERGAMASCH, Maria Aparecida; DOEBBER. Michele Barcelos; BRITO; Patrícia Oliveira. Estudantes Indígenas em Universidades Brasileiras: um Estudo das Políticas de Acesso e Permanência. Rev. bras. Estud. Pedagógicos. Brasília, v. 99, n. 251, p.37-53, jan./abr. 2018. Disponível em: Acesso em: 20 nov. 2018.

DIAS SOBRINHO, José. Democratização, qualidade e crise da educação superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educ. Soc., Campinas, v. 31. n. 113. out./dez. 2010.

LIMA. Antônio Carlos de Souza. Educação Superior para Indígenas no Brasil – sobre cotas e algo mais. 2007.

Disponível em: http://flacso.redelivre.org.br/files/2012/07/252.pdf Acesso em: 09 out. 2018.

LOPES; Alice Casimiro. MACEDO; Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SECCHI, Darci. Apontamentos acerca da regularização das escolas indígenas. Painel 5. Legislação Escolar Indígena. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/vol4c.pdf. Acesso em 7 maio, 2019.

VASCONCELOS, Diva Helena Frazão de. O Ensino Superior e a Educação Indígena: questão Indígena. – Boletim do Tempo Presente, nº 11, de 01 de 2016, p. 1-12.

ZABALZA, Miguel Ángel. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Culturas & Fronteiras