ATIVISMO JUDICIAL BRASILEIRO: QUANDO O EXEMPLO VEM DO SUL GLOBAL

Carolina Yukari Veludo Watanabe

Resumo


O ativismo judicial no mundo contemporâneo é uma tendência. Assume grande relevância no cenário nacional em razão do descrédito no processo político em geral e o protagonismo experimentado pelo Judiciário em detrimento dos demais poderes constituídos. O trabalho apresentado, utilizando da revisão bibliográfica, tem o objetivo analisar a forma como o ativismo judicial é abordado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no Brasil e comparar com a atuação da Corte Constitucional Colombiana (CCC), a fim de verificar a viabilidade de inclusão desta perspectiva latina na interpretação constitucional pátria. Para tanto esclarece suas origens do ativismo judicial, evolução histórica, significado, diferencia abordagens de termos correlatos e, ao final, conclui que o exemplo do sul global é próximo da realidade social e constitucional brasileira e que o julgamento da ADPF 347, que aponta as mazelas do sistema carcerário brasileiro, é uma grande oportunidade para abertura do Pretório Excelso para uma verdadeira ecologia de saberes.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Wendell Ficher Teixeira. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, v. 27, n. 72, 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 de agosto de 2018.

BARROSO, Luís Roberto. O direito constitucional e a efetividade de suas normas: limites e possibilidades da Constituição brasileira. 9 ed. São Paulo: Renovar, 2008.

______. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. Anuário Iberoamericano de Justiça Constitucional, Madri, n.13, 2009. Disponível em:. Acesso em: 23 de julho de 2018.

______. A razão sem voto: o Supremo Tribunal Federal e o governo da maioria. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, Número Especial, 2015. Disponível em: https:. Acesso em: 25 de julho de 2018.

______. Curso de direito constitucional contemporâneo. São Paulo: Saraiva, 2017.

BITTAR, Eduardo C. B. A discussão do conceito de direito: uma reavaliação a partir do pensamento habermasiano. Bol. Fac. Direito U. Coimbra, v. 81, p. 797, 2005.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Supremo afasta a proibição de progressão de regime nos crimes hediondos. 2006. Disponível em:. Acesso em: 26 de julho de 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Supremo determina aplicação da lei de greve dos trabalhadores privados aos servidores públicos. 2007. Disponível em:. Acesso em: 25 de julho de 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. STF libera pesquisas com células-tronco. 2008. Disponível em:. Acesso em: 25 de julho de 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 3.510, Distrito Federal. Relator: Ministro Ayres Britto, DJe n 96, de 27/05/2010 com publicação 28/05/2010. Disponível em:. Acesso em: 11 de novembro de 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 347. Relator: Ministro Marco Aurélio. Disponível em:. Acesso em: 11 de novembro de 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. Gestantes de anencéfalos têm direito de interromper gravidez. 2012. Disponível em:. Acesso em: 26 de julho de 2018.

______. Supremo Tribunal Federal. STF determina realização de audiências de custódia e descontingenciamento do Fundo Penitenciário. 2015. Disponível em:. Acesso em: 15 de agosto de 2018.

CARVALHO, Ernani Rodrigues de. Em busca da judicialização da política no Brasil: apontamentos para uma nova abordagem. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 23, 2004. Disponível em: . Acesso em: 23 de julho de 2018.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 7ª ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

COUTO, Edenildo Souza. O ativismo judicial estrutural dialógico para efetividade dos direitos fundamentais no “Estado de Coisas Inconstitucional”. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Direito, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2018. Disponível em:. Acesso em: 12 de novembro de 2018.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Epistemologias do Sul. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 80, p. 5-10, 2008.

______. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. CEBRAP, n.79, 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 de agosto de 2018.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. A Defesa do Cidadão e da Res Publica. In: Revista do Serviço Público. Fundação Escola Nacional de Administração Pública. Ano 49, n. 2, Brasília: ENAP, 1998.

DUARTE, Clarice Seixas. O Direito Público subjetivo ao ensino fundamental na Constituição Federal Brasileira de 1988. Tese (Doutorado) – Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito, Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

FARIA, José Eduardo. O Supremo e o Ativismo Judicial. Disponível em: . Acesso em: 31 de outubro de 2018.

GRAVITO, César Rodriguez; FRANCO, Diana Rodriguez. Cortes y cambio social: cómola Corte Constitucional transformóel desplazamiento forzado en Colombia. Bogotá: Centro de Estudios de Derecho, Justicia y Sociedad, Dejusticia, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 de agosto de 2018.

HABERMAS, Jurgen. The theory of communicative action, volume I. Boston: Beacon, 1984.

HESS, Heliana Maria Coutinho. Ativismo judicial e controle de políticas públicas. Revista SJRJ, Rio de Janeiro, v. 18, n. 30, p. 257-274, 2011. Disponível em:. Acesso em: 02 de agosto de 2018.

KOERNER, Andrei. Ativismo Judicial: Jurisprudência constitucional e política no STF pós-88. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n.96, 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 de agosto de 2018.

LAGE, Daniel Dore; BRUGGER, Andrey da Silva. Estado de Coisas Inconstitucional: legitimidade, utilização e considerações. Revista Publicum, Rio de Janeiro, v.2, n.5, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 de agosto de 2018.

LIMA, George Marmelstein. O Estado de Coisas Inconstitucional–ECI: apenas uma nova onda do verão constitucional?. Direitos Fundamentais, v. 2, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 de agosto de 2018.

MELO, Milena Petters. Constitucionalismo, pluralismo e transição democrática na América latina. Revista da anistia política e justiça de transição, p. 140-155, 2010.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: Saraiva, 2017.

SÁ, Mariana Oliveira de; BONFIM, Vinícius Silva. A atuação do Supremo Tribunal Federal frente aos fenômenos da judicialização da política e do ativismo judicial. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 5, 2015. Disponível em:. Acesso em: 25 de julho de 2018.

SUNSTEIN, Cass. Radicals in robes: why extreme right-wing Courts are wrong for America. New York: Basic Books, 2005.

TATE, C.; VALLINDER, T. The Global Expansion of Judicial Power. New York University Press: New York, 1997.

TEIXEIRA, Anderson Vichinkeski. Ativismo judicial: nos limites entre racionalidade jurídica e decisão política. Revista Direito GV, v. 8, n. 1, p. 037-057, 2012.

VIEIRA, José Ribas. Verso e reverso: a judicialização da política e o ativismo judicial no Brasil. Revista Estação Científica (Ed. Especial Direito), Juiz de Fora, v.01, n.04, 2009. Disponível em: . Acesso em: 24 de julho de 2018.

______; BEZERRA, Rafael. Estado de coisas fora do lugar. Portal Jota, v. 5, 2015. Disponível em: . Acesso em:24 de julho de 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.