TRAJETÓRIAS MIGRATÓRIAS, PROJETOS ARTÍSTICOS E PRÁTICAS INTELECTUAIS DE HAITIANOS NO BRASIL

Roziane da Silva Jordão, Sidney Antônio da Silva, Marília Lima Pimentel Cotinguiba

Resumo


Este artigo tem como objetivo dialogar sobre a criação artística e intelectual de imigrantes haitianos no Brasil. A partir das letras das músicas “Eu gosto do Brasil” e “Quando eu cheguei aqui”, dos cantores haitianos Alix Georges e  Guerby Cherry, bem como a partir do livro “(Re)construindo um sonho” escrito pelo imigrante haitiano Jac-SSone Alerte, analisamos a atuação do sujeito imigrante intelectual e artista sob a perspectiva do engajamento para a manutenção dos laços culturais que se estabelecem entre os imigrantes haitianos com sua terra natal. Para tanto, além da teoria da migração transnacional e reflexões sobre o conceito de intelectual proposto por Gramsci, recorremos aos teóricos pós-coloniais, tal como Bhabha (1998) no sentido de realizar uma análise sobre a subalternidade e representação do sujeito imigrante. Embora este artigo não seja o resultado final de uma pesquisa- e sim os primeiros achados de uma tese em construção- consideramos que esse campo que delimitamos para estudo é promissor e tem muito a contribuir para os estudos migratórios no Brasil, o que nos motiva a continuar o trabalho. Há muitas produções artísticas e intelectuais de imigrantes haitianos que foram (e são) produzidas no Brasil. Nessas obras, são nítidos o hibridismo cultural e a pluralidade. Em nossa análise sobre as músicas “Eu Gosto do Brasil” e “Quando eu Cheguei aqui”, percebemos e dialogamos sobre as relações sociais que são estabelecidas pelos imigrantes no processo de inserção na sociedade brasileira. As produções artísticas e intelectuais dos imigrantes haitianos estão vinculadas à realização do projeto migratório que estabeleceram para si mesmos.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36026/rpgeo.v6i1.4251

INDEXADORES E BASE DE DADOS:

                                    

 

         

  

 

APOIO:

  

Revista Presença Geográfica (RPGeo): ISSN 2446-6646