PORTO VELHO: A CIDADE DO SOL E SEU MULTICULTURALISMO

Maria Vitória Loureiro do Nascimento Vieira, Klivy Ferreira dos Reis

Resumo


Uma das causas da migração libanesa era que seu território passara por uma fase política crítica de guerrilha. Para alguns migrar ou viajar era a melhor alternativa. A acolhida desse povo em alguns países não foi bem quista. O Brasil seria uma boa escolha, este não impunha barreiras por causa da necessidade de trabalhadores estrangeiros para o campo. Aqui chegaram e fizeram amizades sólidas, por isso que de uma maneira carinhosa chamam-nos de primos. Diferentes dos imigrantes europeus, os libaneses não procuravam trabalhar na terra, mas encontraram nas cidades condições para sua expansão comercial. Porto Velho era território do Guaporé (entre os anos 50 e 60), cidade nova em construção, um lugar que proporcionava novas oportunidades e conquistas, uma fusão apropriada: uma terra em crescimento e um povo em reconstrução. A atividade comercial trouxe uma grande relevância para o aprendizado da língua dos falantes árabes e os da “terra”, pois exigia um contato direto e diário com sujeitos de diferentes grupos sociais, levando à quebra de preconceitos linguísticos e culturais. O que era para ser temporário tornou-se permanente, os que pretendiam “voltar pra casa” providenciaram trazer sua família, fortalecendo mais ainda seus negócios. As mulheres teriam como função preparar suas iguarias saborosas. Alguns dos hábitos alimentares e temperos se solidificaram, sendo consumidos com prazer e ganhando espaço e prestígio na “cidade do sol”. É nesse universo que este objetiva analisar o Multiculturalismo e o Interculturalismo, como fatores que contribuíram para caracterização social de ambas as nacionalidades. O referido trabalho é de cunho bibliográfico, com subsídio teórico de autores como Vera Maria Candau (2008), Néstor Garcia Canclini (2008) e Peter McLaren (1997) que trazem um enfoque: aceitar as ideias multiculturais não é desconhecer as distinções existentes, mas é defender um espaço, uma estratégia, um tempo, uma história e sua identidade. Portanto, tais aspectos são propícios à sociedade inclusiva, democrática e facilitadora na promoção para transformação socioculturais e institucionais. Tais aspectos contribuíram para a permanência da comunidade libanesa no município de Porto Velho, bem como a troca de valores e intercâmbio de tradições e satisfação de necessidades individuais e coletivas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36026/rpgeo.v6i1.4245

INDEXADORES E BASE DE DADOS:

                                    

 

         

  

 

APOIO:

  

Revista Presença Geográfica (RPGeo): ISSN 2446-6646