TRADIÇÃO ORAL E TRADIÇÃO ESCRITA: UMA ANÁLISE TEXTUAL DE NARRATIVA POPULAR DA REGIÃO AMAZÔNICA

Viviane Braz Nogueira, Valdir Vegini

Resumo


O presente trabalho teve por objetivo: a) descrever e analisar uma narrativa popular de cunho oral e escrito sob o ponto de vista dos conhecimentos da Linguística Textual, com enfoque nos mecanismos de textualidade utilizados pela informante; b) mostrar uma análise linguística textual sem a pretensão de torná-la única, mas com a intenção de contribuir para possíveis olhares críticos nas marcas linguísticas de um texto narrativo popular. O foco da análise linguística levou em conta os fatores lingüísticos da coesão, da coerência e o extralinguístico da intertextualidade com base teórica em autores como Beaugrande & Dressler (1981), Bayard (1957), Cardoso (2003), Costa Val (1999), Fávero e Koch (2008), Koch e Travaglia (1996), Kristeva (1986, 1974), entre outros. O corpus da pesquisa contém uma narrativa popular contada e escrita por uma informante de cinquenta e oito (58) anos, nascida e criada no município de Humaitá-AM. Da análise linguística, propriamente dita, verificou-se uma maior incidência de recursos de coesão referencial e coesão sequencial, coerência interna e coerência externa e intertextualidade implícita. Ao par disso, constatou-se a importância do resgate das narrativas orais e escritas existentes no imaginário popular como meio de comunicação, informação e conhecimento da memória e da cultura de um determinado povo. Observou-se também que as narrativas populares orais e escritas constituem um material riquíssimo para análise textual uma vez que, para a sua produção, são utilizadas diversas formas de linguagem que se entrelaçam e produzem um mosaico de efeitos e sentidos inesperados.


Palavras-chave


Linguística Textual; Narrativa Popular Oral e Escrita; Coesão, Coerência e Intertextualidade; Textualidade

Texto completo:

PDF


Resultado de imagem para PROPESQ UNIR