IMIGRAÇÃO E IDENTIDADE CULTURAL: A REPRESENTAÇÃO DE UMA IDENTIDADE PREFERENCIAL NO INTERIOR DE RONDÔNIA

Sandro Adalberto Colferai

Resumo


A atual conformação populacional de Rondônia surge a partir de diferentes fluxos migratórios e, entre eles, dois grandes ciclos podem ser apontados: o primeiro no final do século XIX e início do século XX, durante os ciclos da borracha e com predominância da imigração de nordestinos; o segundo a partir da década de 1970, sob os auspícios do Estado brasileiro, que fez deslocar para a Amazônia imigrantes do centro-sul do país. O contato de populações com práticas culturais distintas faz surgir na Amazônia sul-ocidental verdadeira fronteira simbólica em que o contato com o meio ambiente é o principal ponto de referência. É a partir deste cenário que se discute, no artigo, as identidades culturais que se formam e buscam fortalecimento no interior de Rondônia, região profundamente marcada pela experiência da imigração nas últimas três décadas do século XX. O paradigma dos Estudos Culturais, e autores a ele ligados, é tomado como referencial teórico, tanto na sua vertente britânica como latinoamericana. Assim conceitos como cultura, representação, identidade e imigração são apresentados a partir de autores como Stuart Hall, Richard Johnson, Néstor Garcia Canclini, e Denise Cogo. Além disso, tomam-se autores que pensam a região Amazônica e sua ocupação recente, em específico a conformação social do estado de Rondônia a partir da segunda metade do século XX.


Palavras-chave


Estudos Culturais; Rondônia; identidade cultural

Texto completo:

PDF