AS FORMAS DE ARTICULAÇÃO TEXTUAL E A VERDADE GUAPOREANA NA OBRA “LENDAS DO GUAPORÉ”

Fabíola Ferreira Ocampo

Resumo


O artigo tem por objetivo demonstrar os mecanismos de progressão textual utilizados em “Encontro com cobras grandes”, primeiro relato do quarto capítulo do livro “Lendas do Guaporé”, do escritor rondoniense Matias Mendes, e examinar como esses mecanismos atuam para o estabelecimento de parâmetros de “verdade” no desenrolar dessa pequena história. A análise foi realizada sob a perspectiva da Linguística Textual, mormente de acordo com as propostas de Ingedore V. Koch (2006, 2009), com enfoque nos elementos de superfície, que indicam as formas de progressão textual e a construção da tessitura de comunicação entre autor e leitor. Observa-se, ao final da análise, que o escritor utiliza de atividades formulativas de sequenciação para imprimir em seu relato progressão textual e, portanto, textualidade, e transmitir sua “verdade” cultural. A utilização dos mecanismos de progressão explica como o autor transforma-se em um historiador descompromissado com a verdade ortodoxa e, assim, numa estratégia de desconstrução das lendas amazônicas e, com tal estratégia, desafia a ciência e a cultura do leitor demonstrando que a verdade é como um espelho que reflete várias faces.


Palavras-chave


Linguística Textual; Progressão textual; Mitos e Lendas; Etnicidade amazônica.

Texto completo:

PDF