O VIAJANTE E O VIAJADO EM O MAR E A SELVA: RELATO DA VIAGEM DE HENRY MAJOR TOMLINSON AO BRASIL

Eliomar Rodrigues da Rocha

Resumo


A viagem de Tomlinson ao Brasil e o relato que ele produziu, O Mar e a Selva (1912), estabelecem linhas paradigmáticas para se pensar criticamente a Inglaterra e a Amazônia brasileira. Para Tomlinson, o homem estava aprisionado às técnicas que ele mesmo criou; e cada vez mais valorizava o dinheiro e se desvirtuava. Assim, o pensamento tomlinsoniano converge para a vertente estoica, uma vez que ele critica as atividades da manufatura, que aprisiona o indivíduo e o obriga a uma atividade fora do ritmo da vida. Em sua concepção, “O viajante ideal deveria se aventurar simplesmente como um pensamento desencarnado ou, no máximo, como um mero olho”. É exatamente sobre a relação de espelhamento entre esse “viajante ideal”, esse “olho desencarnado” e o sujeito viajado que eu gostaria de examinar neste texto, uma vez que a própria viagem converte-se num speculum em que o olhar do viajante se projeta sobre o Outro tendo como lente de comparação o seu mundo de origem.


Palavras-chave


Relato de viagem, Henry Major Tomlinson, Amazônia

Texto completo:

PDF


Resultado de imagem para PROPESQ UNIR