SOBRE PIRATAS ROMÂNTICOS E BRONCOS FACÍNORAS: REPRESENTAÇÕES DE CANUDOS E ANTÔNIO CONSELHEIRO NOS ESCRITOS DE MACHADO DE ASSIS E EUCLIDES DA CUNHA.

Priscila Salvaia

Resumo


RESUMO: Neste artigo propomos o cotejamento das representações a respeito de Canudos e seu líder, Antônio Conselheiro, presentes nos escritos de Machado de Assis e Euclides da Cunha. Inicialmente, na crônica “Canção de Piratas” (1894), do primeiro autor, tomaremos contato com um movimento social libertário, e concebido em diálogo com a estética romântica. Em contraposição, na obra Os Sertões (1902), do segundo autor, toma corpo uma outra visão de Canudos, desta vez, pautada pela barbárie daqueles que retrocediam no processo de evolução da história. Colocaremos em debate ambas as narrativas, tentando compreender quais as referências teóricas que conduziram os autores em suas construções simbólicas sobre o tema.


Palavras-chave


Machado de Assis; Euclides da Cunha; Canudos

Texto completo:

PDF


Resultado de imagem para PROPESQ UNIR