PPP na educação em prisões: estratégias para a Educação de Jovens e Adultos privados de liberdade

Márcea Andrade Sales, Maria das Graças Reis Barreto

Resumo


Esse texto resulta de Pesquisa stricto sensu que teve como lócus uma unidade de ensino em um Complexo Prisional e contribuiu para reorganizar o Projeto Político Pedagógico específico da EJA em prisões. Teve como estratégias metodológicas entrevistas semiestruturadas; análise de Documentos como PPP da escola (2011-2013) e dispositivos legais; Prontuário dos estudantes. Participaram da pesquisa estudantes sentenciados da Penitenciária Lemos Brito que trabalham durante o dia e estudam à noite na modalidade EJA. Além destes, Gestor da Unidade Prisional, Coordenador Pedagógico e Professores. Como resultado principal da pesquisa, tem-se que o PPP vigente possui lacunas, mas permite reformulações através de diálogos com interlocutores do processo da educação e execução penal, em especial, ao possibilitar que, por meio de políticas públicas, o Colégio avance na perspectiva de educar com o olhar do conhecimento, proporcionando aos estudantes privados de liberdade autonomia e sentido à própria existência, superando condições de aprisionamento.

Palavras-chave


Educação em Prisões. Projeto Político Pedagógico. Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA. Conselho Estadual de Educação. Resolução CEE nº 43 de 14 de julho de 2014. Dispõe sobre a oferta, pelo Sistema Estadual de Ensino, da Educação Básica na modalidade Educação de Jovens e Adultos, para pessoas em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais do Estado da Bahia. Salvador. Publicada em 06 de março de 2015.

BAUMAN, Zygmunt. Aprendendo a pensar com a Sociologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

BRASIL. Lei nº 11.645, DE 10 de março de 2008. Altera a Lei n o 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n o 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: http://pfdc.pgr.mpf.mp.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/legislacao/educacao/Lei_n_11.645-2008_altera_lei_Hist_Africa.pdf> Acesso em: 06 de agosto de 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2 de 19 de maio de 2010. Diretrizes Curriculares para oferta de educação de jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em: . Acesso em: 03 de março de 2019.

GADOTTI, Moacir. Projeto político pedagógico da escola: fundamentos para sua realização. In: GADOTTI, Moacir & ROMÃO, José Eustáquio (orgs.). Autonomia da escola: princípios e propostas. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

GALVÃO, Marinel. Grupo de Estudo. 2019. Disponível em Acesso em 20mar19

LIMA, Licínio C. A escola como organização educativa: uma abordagem sociológica. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MACHADO, Maria Margarida. et al. Educação de Jovens e Adultos: uma memória contemporânea. Brasília: UNESCO, MEC, 2004.

OLIVEIRA, Rosemary Lapa et al. Projeto de Extensão Universitária Leitura e Escrita. Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Departamento de Educação - Campus I. Curso de Pedagogia, Bahia, 2017.

PAULA, Cláudia Regina de; OLIVEIRA, Márcia Cristina de. Educação de Jovens e Adultos: a educação ao longo da vida. Curitiba: Ibpex, 2011.

SILVA, Roberto da; MOREIRA, Fábio Aparecido. O projeto político-pedagógico para a educação nas prisões. Em Aberto. Brasília, v. 24, n. 86, p. 89-103, nov. 2011.

UNESCO. Educando para a liberdade: trajetória, debates e proposições de um projeto para a educação nas prisões brasileiras. Brasília, 2006. Disponível em: Acesso em: 13 fev, 2019.




DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.4658



Direitos autorais 2019 EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.