“Cadê a puba?”: por uma formação intercultural de professores de biologia em uma comunidade amazônica

Danilo Seithi Kato, Adriana Araujo Pompeu Piza Santos

Resumo


Este artigo compõe uma pesquisa interinstitucional denominada Observatório da Educação para a biodiversidade e tem o objetivo de identificar como o enfoque etnobiológico pode contribuir para a formação de seis professores de Biologia participantes do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica, visando a educação para os direitos humanos a partir da sociobiodiversidade local. Estabeleceu-se uma perspectiva qualitativa do tipo pesquisa participante, a partir de uma análise de conteúdo sobre entrevistas semiestruturadas. Os resultados foram organizados em duas categorias: 1) A produção de farinha de mandioca e sua importância histórica e cultural para a comunidade; 2) A produção de farinha como artefato cultural para o ensino de biologia articulando conhecimentos tradicionais sobre a biodiversidade amazônica e o conhecimento científico escolarizado. Como principais resultados, foram identificados elementos identitários no processo de produção de farinha intimamente atrelados ao fazer docente, e sua relevância para formação sensível à diversidade cultural.


Palavras-chave


Diversidade cultural. Conhecimento tradicional. Formação de professores. Interculturalidade. Produção de farinha.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, P.U. Povos e paisagens: etnobiologia, etnoecologia e biodiversidade o Brasil/ Ulysses Paulino de Albuquerque, Ângelo Giuseppe Chaves Alves, Thiago Antonio de Sousa Araújo (organizadores). Recife: NUPEEA/UFRPE, 2007.

BIZZO, N. Ciências: Fácil ou Difícil? São Paulo: Biruta, 2009.

BAPTISTA, G. C. S. Um enfoque etnobiológico na formação do professor de ciências sensível à diversidade cultural: estudo de caso. Ciênc. Educ., Bauru, v. 21, n. 3, p. 585-603, 2015.

______. A contribuição da etnobiologia para o ensino e a aprendizagem de ciências: estudo de caso em uma escola pública do estado da Bahia. 2007. 180 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia: Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.

BARBIER, R. A pesquisa-ação. Brasília: Liber Livro, 2007.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BOGDAN, R.; BICKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

CANDAU, V. M. F. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, Lisboa, v. 11, n. 2, p. 240-255, 2011.

CANEN, A. Universos culturais e representações docentes: subsídios para a formação de professores para a diversidade cultural. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 77, p. 207-227, 2001.

FORQUIN, J.-C. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

______. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Acesso em: 14 de abril de 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/caapiranga/panorama.

KINCHELOE, J.. Pesquisa-ação, reforma educacional e pensamento do professor In: KINCHELOE, J.. A formação do professor como compromisso político: mapeando o pós-moderno. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997, p. 179-197.

LODY, R. (org.). Farinha de mandioca: o sabor brasileiro e as receitas da Bahia. Editora Senac São Paulo, 2013.

MAGALHÃES, T.G. Oralidade na sala de aula: alguém fala sobre isso? Instrumento: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação. Universidade Federal de Juiz de Fora, Colégio de Aplicação João XXIII. n.7 e n.8, 2005/2006, Juiz de Fora: EUFJF, 2006. p. 65-81.

MARQUES, L. A. de S. Estudo do meio: descobrindo e revelando espaços, tempos e saberes – ensino de história e geografia nos anos iniciais do ensino fundamental. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2009.

PARFOR. Formação e a ação dos professores da educação básica. Orgs.: SOUZA, Maria I. P. de O; FRISSELLI, Rosangela R. Z. Londrina: PARFOR/UEL, 2017.

SOUSA SANTOS, B. de. Por uma concepção multicultural de direitos humanos. In: SOUSA SANTOS, B. de (Org). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 429-461.

SIQUEIRA, A. B. Etnobiologia como metodologia no Ensino de Ciências. Anais do IV Simpósio sobre Formação de Professores – SIMFOP Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão Tubarão, de 7 a 11 de maio de 2012.

VENQUIARUTO, L. D. et al. Saberes populares fazendo-se saberes escolares: um estudo envolvendo o pão, o vinho e a cachaça. Curitiba: Appris, 2014.

WALSH, C. Estudios (inter)culturales en clave decolonial. Tabula Rasa, n. 12, p. 209-277, 2010.




DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.4540



Direitos autorais 2019 EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.