Educação não formal: potencialidades e limitações na formação do futuro professor de ciências e biologia

Raiane Agustinho Lopes Tinoco, Patricia Montanari Giraldi

Resumo


Neste estudo se apresenta parte de uma pesquisa de mestrado cujo objetivo é analisar limites e potencialidades de atuação em espaços não formais de educação, durante a formação inicial de professores de Ciências e Biologia. Por meio de conversa em grupo focal e entrevista com licenciandos do curso de Ciências Biológicas, em fase de estágio supervisionado em ambientes não formais de educação, foi possível identificar limites dos espaços em suas formações, como a ausência de contato prévio e a preparação de aula que atenda as especificidades dos alunos que irão receber nesses espaços. Como potencialidades presentes nesses locais, citaram os diferentes públicos, faixas etárias e espaços onde ocorre a educação. Apesar das limitações, os espaços de educação não formal proporcionam o desenvolvimento de habilidades que contribuem para a formação do licenciando como futuro profissional. Isso permite deslocar suas concepções sobre educação para um conceito mais amplo que se dá pelo diálogo com diferentes saberes.


Palavras-chave


Educação não formal. Estágio supervisionado. Formação inicial de professores.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, T. J. S. A importância do estágio de observação. Revista do Professor, São Paulo, nov. 2012. Disponível em https://www.webartigos.com/artigos/a-importancia-do-estagio-de-observacao/99501. Acesso em: 17 dez. 2018.

ANTUNES, C. O. As teorias do currículo na perspectiva de Tomás Tadeu da Silva. 18 ago. 2014. Disponível em: https://pt.slideshare.net/Vanubia_sampaio/texto-1-38108443. Acesso em: 1 fev. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

CARVALHO, D. A.; MOTTA, M. B. Ambientes educativos não escolares como campo de estágio para os licenciandos em biologia. Revista da SBEnBio, n. 07, p. 1495-1505, out. 2014.

COSTA, W. L.; FRANCISCO, W. A visão dos professores sobre espaços não formais e sua relação com a feira de ciências. In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 9., 2013, Palmas. Anais [...] 6 p.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber Livro, 2005.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GOHN, M. G. Educação não-formal: um novo campo de atuação. Revista Ensaio: Avaliação, Políticas Públicas e Educação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 21, p. 511-526, out./dez. 1998.

GOHN, M. G. Educação não-formal: participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Revista Ensaio: Avaliação, Políticas Públicas e Educação, Rio de Janeiro, n. 50, p. 27-38, jan./mar. 2006.

GOHN, M. G. Educação não-formal, educador(a) social e projetos sociais de inclusão social. Revista Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 28-43, jan./abr. 2009.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011. 314 p.

MARANDINO, M. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciência & Educação, v. 23, n. 4, p. 811-816, 2017.

PIMENTA, S. G. Questões Sobre a Organização do Trabalho na Escola. 2007. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/. Acesso em: 22 jun. 2018.

SANTOS, B. S. Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Porto: Edições Afrontamento, 2004.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução as teorias do currículo. 3. ed., 5. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. 156 p.

WALSH, C.; SANTACRUZ, L. Procesos afro-etnoeducativos em la fronteira ecuatoriano-colombiana. Cátedras de Integración Andres Bello 3, Bogotá: Convenio Andrés Bello, 2007.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: Construyendo Interculturalidad Crítica. (Orgs. Jorge Viaña, Luis Tapia e Catherine Walsh). Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, La Paz, Bolivia, 2010.

WALSH, C.; GARCIA, J.; CHALÁ, J. Etnoeducación e interculturalidad en perspectiva decolonial. In: SEMINARIO INTERNACIONAL “Etnoeducacion e Interculturalidad. Perspectivas Afrodescendientes”, 4., 2011. Anais […] CEDET: Perú. 14 p. 2011.




DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.4292



Direitos autorais 2019 EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.