Implicações da base nacional comum curricular sobre a avaliação no 1º ano do ensino fundamental a partir da visão dos professores

Juliana Pedroso Bruns, Camila da Cunha Nunes

Resumo


Tem-se como objetivo analisar a percepção dos professores das Escolas Públicas Municipais de Brusque (SC) sobre a forma de avaliação utilizada com os alunos dos 1os anos do Ensino Fundamental tendo em vista o que é preconizado na BNCC e nas Diretrizes Municipais de Brusque. Para tal, foi realizada uma pesquisa qualitativa de caráter exploratória. Entrevistaram-se professoras que atuam com turmas dos 1os anos do ensino fundamental de três escolas Municipais de Brusque. Para as professoras parece bem evidente que o processo de avaliação ocorre diariamente. Apesar de não realizarem provas, o processo de avaliação nos 1os anos ainda parece traduzir-se em nota. Observou-se que a nota necessita, obrigatoriamente, estar registrada no sistema, instigando uma reflexão sobre os sistemas educacionais. A nota não define a aprendizagem do estudante, pois ela, a aprendizagem, é contínua, ocorrendo em todos os momentos e em todas as atividades realizadas.


Palavras-chave


Avaliação. Avaliação Formativa. Base Nacional Comum Curricular.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, F. J.; GARDELLI, F. Avaliação para a aprendizagem: o processo avaliativo para melhorar o desempenho dos alunos. São Paulo: Ática Educadores, 2011.

AZEVEDO, I. C. M.; DAMACENO, T. M. S. S. Desafios do BNCC em torno do ensino de língua portuguesa na educação básica. Rev. de Est. de Cultura, n. 7, p. 83-92, 2017.

BALLESTER, M. Avaliação como apoio à aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BRANSFORD, J. D; BROWN, A. L.; COCKING, R. R. (org.). Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola. São Paulo: Senac, 2007.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 30 out. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Ampliação do ensino fundamental para nove anos: 3º relatório do programa. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

BRASIL. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 metas do plano nacional de educação. 2014. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf. Acesso em: 05 fev. 2018.

BRUSQUE. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes curriculares municipais. Brusque: Secretaria de Educação, 2012.

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Unesp, 2009.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: EPU, 2014.

MACEIÓ. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes da avaliação da/para aprendizagem da Rede Municipal de Ensino de Maceió. Maceió: Editora Viva, 2016.

MORENO, A. C. Alfabetização antecipada é criticada por impacto no ensino infantil. 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/antecipacao-da-alfabetizacao-na-base-curricular-levanta-debate-sobre-o-ensino-infantil.ghtml. Acesso em: 30 out. 2018.

RABELO, H. E. Avaliação: novos tempos, novas práticas. Petrópolis: Vozes, 1998.

ORRÚ, S. E. Base Nacional Comum Curricular: à contramão dos Espaços de aprendizagem inovadores e inclusivo. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v. 11, n. 25, p. 141-154, abr./jun. 2018.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.




DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.4054



Direitos autorais 2019 EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.