Alfabetizadoras e leitura: reflexões sobre suas concepções e práticas

Lais Fernanda Espósito Barbosa, Elianeth Dias Kanthack Hernandes

Resumo


Este artigo apresenta uma breve reflexão qualitativa sobre a importância da leitura nos primeiros anos de alfabetização da criança de 6 a 8 anos de idade. Tomando como referência autores como Mortatti (2000); Freire (1994); Smith (2003); e dados do Ministério da Educação referentes a situação da alfabetização no Brasil, dialogamos com os estudiosos Gatti (2009); Giroux (1999); Libâneo (2012); dentre outros, com o objetivo principal de compreender as concepções das docentes sobre leitura, bem como sua prática em sala de aula, norteados pela hipótese: as alfabetizadoras têm praticado a leitura como simples ato de codificação e decodificação, limitando a significação textual. Partimos da compreensão de que a prática da leitura é imprescindível a qualquer cidadão por ampliar a visão de mundo ao inserir um leitor competente em nossa sociedade. Neste contexto, refletimos sobre as concepções e práticas de leitura de três alfabetizadoras, de 1º e 2º ano do Ensino Fundamental, de uma escola pública municipal do interior do estado de São Paulo e concluímos que, infelizmente, encontramos práticas de leitura do século XIX presentes no contexto escolar, impedindo assim a formação de leitores com capacidade de análise e crítica.


Palavras-chave


Alfabetizadoras. Concepções e práticas. Leitura

Texto completo:

PDF

Referências


AÇÃO EDUCATIVA; INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Indicador de Alfabetismo Funcional INAF Brasil 2018: Resultados preliminares. São Paulo: Ação Educativa; IPM, 2018. Disponível em:< http://acaoeducativa.org.br/wp-content /uploads/2018/08/In af2018_Relat%C3%B3rioResultad osPr eliminares _v08Ago201 8.pdf >acedido em 11 nov 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: (Lei9394/96) / 9º. Ed. – Rio de Janeiro: DP&A, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192 >. Acesso em: 25 jul. 2018

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais - 1ª a 4ª séries. Brasília, MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998. 3v.: il.

COSSON, Rildo. Círculos de leitura e letramento literário. São Paulo: Contexto, 2014.

ECCO, Idanir. Leitura: do conceito às orientações. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2018.

FERREIRO, Emília e TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Artmed. Porto Alegre. 1999.

FOUCAMBERT, Jean. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. 157p.

FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler em Três Artigos que se completam. 29 ed. São Paulo: Cortez, 1994 (Coleção Questões de nos0sa época)

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo, 2005.

GATTI, B. A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Brasileira de Formação de Professores, Cristalina, v. 1, n. 1, p. 90-102, maio 2009.

GHEDIN, E. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2003; p.129-150.

GIROUX, H. A. Professores como intelectuais transformadores. In: GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. Cap. 9, .157- 164

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. Trad. de Sandra Traucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2009.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor. Campinas: Pontes, 1989

KOCH, Ingdore V.; ELIAS, Maria V. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2008.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: a escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento para os pobres. Educação e Pesquisa, S.P., v.38, n.1, p.13-28,2012.

MORTATTI, M. R. L. Os sentidos da alfabetização: São Paulo - 1876/1994. Brasília, DF: MEC/INEP/COMPED; São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

SMITH, F. Compreendendo a leitura: uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. Porto Alegre: Artmed, 2003.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.




DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.4038



Direitos autorais 2019 EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.