Narrativas dominantes e marginais: modelos de formação de professores

Elizabeth Antônia Leonel de Moraes Martines

Resumo


Neste trabalho, pretende-se relacionar o conceito de narrativas com os modelos de formação de professores que predomina(ra)m historicamente e os modelos que vêm se firmando nas últimas décadas, em vários países. Nos modelos emergentes, Ensino e Pesquisa são indissociáveis, as narrativas autobiográficas ganham destaque na formação e (re)construção de identidades pessoais e profissionais. As mudanças curriculares neste sentido implicam em (re)criação de contextos formativos que favorecem o desenvolvimento de capacidades consideradas necessárias nos novos tempos e que priorizam a experiência vivida, a expressão das vivências e um diálogo consigo próprio ampliando o autoconhecimento; o diálogo com os outros, incluindo os que construíram conhecimentos que hoje são referência e o diálogo com a própria situação, sendo a pesquisa-ação um caminho privilegiado na formação de educadores e a escola se torna o lugar privilegiado nesse processo.


Palavras-chave


Formação de Professores. Autobiografias. Reformulação Curricular. Pesquisa-Ação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e Emancipação. 3ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

ANIC, C. C. A "Jornada do Herói" em narrativas sobre professor pesquisador em ciências biológicas. 2016. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

AZEVEDO, S. R. de S. A arte na construção da identidade: um estudo com adolescentes e professores de uma escola do campo em Rondônia. 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Rondônia.

AZEVEDO, R. O. M. Formação inicial de professores de ciências: contribuições do estágio com pesquisa para o desenvolvimento da educação científica. 2014. Tese (Doutorando em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso.

BREMOND, C. A lógica dos possíveis narrativos. In BARTHES, R. (Org.). Análise Estrutural da Narrativa. Petrópolis / RJ: Vozes, 2009.

BRASIL. Resolução CNE⁄CP n. 2 de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e carga horária dos cursos de licenciatura, em graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. 2002a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em 02 de abril de 2016.

BRASIL. Resolução CNE⁄CP n.1 de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. 2002 b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf. Acesso em 15 de março de 2016.

BRASIL. Parecer CNE⁄CP n.2 ⁄ 2015. 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17625-parecer-cne-cp-2-2015-aprovado-9-junho-2015&category_slug=junho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em 10 de março de 2016.

BRUNER, J. Atos de significação. Porto Alegre: ArtMed, 1997.

BRUNER, J. A cultura da educação. Porto Alegre: ArtMed, 2001.

CAVALCANTI, A. S. Permanências na mudança, identidades em questão: significados da docência entre formadores de professores de Educação em Ciências em um modelo educacional em construção. Belém: UFPA, 2016. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática), Universidade Federal do Pará, REAMEC, 2016.

COSTA, K. M. G. O PIBID como espaço de pesquisa no processo de formação de professores de química. 2017. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso.

ESTEVES, M. A investigação como estratégia de formação de professores: perspectivas e realidades. Máthesis. Nº 10, p. 217-233, 2001 .

DINIZ PEREIRA, J. E. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, Ano XX, nº 68, p 109-125, Dezembro/1999.

DINIZ PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. M. (Orgs.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

DINIZ PEREIRA, J. E. Formação de professores, trabalho docente e suas repercussões na escola e na sala de aula. Educação & Linguagem. Ano 10, Nº 15, p 82- 97, 2007.

DINIZ PEREIRA, J. E. Da racionalidade técnica à racionalidade crítica: formação docente e transformação social. Perspectiva e dialógo: Rev. Educação Sociedade, Naviraí, v. 01, n. 01, p. 34-42, jan-jun. 2014.

FERREIRA, A. R.A. Pesquisa autobiográfica de formação docente: cenas formativas de um ator-autor de sua própria história. Monografia. Porto Velho, 2012.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Liber Livro Editora, 2008.

JOSSO, M.C. Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

KEMMIS, S.; WILKINSON, M. H. A pesquisa–ação participativa e o estudo da prática. Pp. 43-66. In DINIZ PEREIRA, J. E. e ZEICHNER, K. M. (Orgs.). A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

LEOPOLDO E SILVA, F. Conhecimento e razão instrumental. Psicologia USP, V. 8, no. 1, p. 11-31. São Paulo, 1997.

MARQUES, M. O. Formação do profissional da educação. 4 ed. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2003.

MARTINES, E. A. L. M. Análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais na perspectiva da avaliação do currículo e da formação de professores de Ciencias Naturais. Dissertação (Mestrado USP – IP). São Paulo, 2000.

MARTINES, E. A. L. M. O currículo possível no ensino superior: estudo sobre o currículo de um curso de biologia na Amazônia. Tese (Doutorado USP – IP). São Paulo, 2005.

NÓVOA , A. Prefácio. In JOSSO, M.C. Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004. Pp 11-17.

NÓVOA , A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a Formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

REIS, F. B. A. Histórias de adolescentes: sentidos construídos sobre a escola. Dissertação (MAPSI - Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Rondônia. 2011.

RIBEIRO, M. T. D. Saberes científicos e pedagógicos de conteúdo expressos por professores egressos do PIBID em Química da UFMT. 2016. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Mato Grosso.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Educação, V. 14, no. 40, p. 143-155, jan./abr. 2009.

ZEICHNER, K. Alternative Paradigms of Teacher Education. Journal of Teacher Education. V. 34, no. 3, p. 3-9. 1983.

ZEICHNER, K. Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 29, n. 103, p. 535-554, maio/ago. 2008. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acessado em 10/08/2017.




DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2019.3304



Direitos autorais 2019 EDUCA - Revista Multidisciplinar em Educação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.