A irrisória representação feminina no prêmio Nobel e nas academias científicas brasileiras

Marcel de Almeida Freitas

Resumo


O texto trata da quase ausência de mulheres nas principais academias científicas do Brasil e entre os vencedores do Prêmio Nobel e como tal fato ajuda a desestimular que alunas ingressem nas carreiras científicas, já que, inconscientemente, essas instituições passam a ideia de que a ciência é masculina, processo sociocultural que se autoalimenta. A partir da Teoria do Reconhecimento e de um breve histórico sobre as primeiras mulheres que entraram na ANM e na ABC (respectivamente, Academia Nacional de Medicina e Academia Brasileira de Ciências), aqui se argumenta que a maior inserção de mulheres nessas instituições assim como maior divulgação da vida e obra de mulheres cientistas encorajaria que mais estudantes do sexo feminino se interessassem pelas carreiras acadêmicas.


Palavras-chave


Mulheres Cientistas. Teoria do Reconhecimento. Academias de Ciência. Prêmio Nobel.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2017.2362

Rev. EDUCA e -ISSN 2359-2087

Indexada em:
                                         

Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons - CC BY-NC-ND 4.0

contador de acesso grátis