Contratação do Professor Primário: da Era Pombalina ao Regime Militar

Cristiane Talita Gromann de Gouveia, Sérgio Candido de Gouveia Neto

Resumo


A partir do desenvolvimento do projeto de mestrado da primeira autora e do estudo do artigo “As escolas Públicas de Primeiras letras de meninas: das normas às práticas” (JINZENJI, 2010), percebeu-se algumas diferenças entre o sistema de contratação de professores durante dois períodos, o Imperial e o Regime Militar. Por meio dessas observações, foram levantados alguns questionamentos: Como se deu o processo de contratação dos professores desde a época pombalina no século XVIII até o final do Regime Militar no século XX? Qual é o perfil que o (a) professor (a) deveria ter para ser contratado? Este perfil se modificou ao longo do tempo? Para responder essas questões, foi necessário retornar na história até a era pombalina. Assim, o artigo tem como objetivo elaborar uma história a partir da análise da trajetória da contratação de professores do ensino primário, no período de 1760 a 1985. Foram utilizadas como fontes, as legislações, teses, dissertações e artigos publicados em anais e em revistas que tratam de alguma maneira do professor primário neste período. Da Era Pombalina ao Império, passando pelos períodos republicanos e pelos regimes ditatoriais, os conhecimentos que os docentes dos ensinos primários necessitavam para a contratação mudaram: de saberes elementares, conhecimentos de moral e instrução religiosa para a formação em escolas normais e posteriormente em escolas de nível técnico. Da mesma forma, houve variações nas formas de contratação dos professores, seja por concursos públicos, indicação política, apadrinhamento ou nomeação, surgindo a figura do suplementarista, que atua na escola sem direitos trabalhistas. 


Palavras-chave


História. Perfil docente. Concursos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2015.1621



Direitos autorais



Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.