História social da criança e do adolescente em situação de risco no Brasil a partir dos marcos legais e do cotidiano

Fabio Santos de Andrade

Resumo


A problemática que envolve crianças e adolescentes em situação de risco é tema reticente no Brasil. Diversos autores abordam questões que buscam compreender o cotidiano sócio histórico e os fenômenos políticos, econômicos, sociais e culturais que atravessam esse cotidiano resignificando, a história do Brasil. Nessa trilha, esse trabalho apresenta uma compreensão teórica sobre cotidiano de crianças e adolescentes no final do século XIX e durante o XX, na tentativa de elucidar a forma como eram tratadas, principalmente as que se encontravam em situação de risco pessoal e social. Destaca-se as políticas públicas e as legislações concernentes à criança e ao adolescente e que tipo de impacto tiveram no cotidiano e nas ações sociais. Cabe considerar que durante a história do Brasil crianças e adolescentes pobres sempre foram envolvidos em uma carga de preconceitos que os caracterizava como seres inferiores, dignos de piedade e vítimas das violências por parte da sociedade e do Estado. Durante a vigência do Código de Menores, aprovado em 1927, tornaram-se responsabilidade do Estado que os incluía numa Doutrina de Situação Irregular. Desde o Código de 1927 até a Política Nacional do Bem-estar do Menor, correspondente à reformulação do Código de Menores de 1979, decorreram mais de cinquenta anos, em que foi empregada a prática de internação de crianças e adolescentes, independentemente de tratar-se de um regime político autoritário ou democrático – correção do comportamento ou educação para integração social, respectivamente. Somente com a Constituição Federal de 1988 é que foram inseridos, no Brasil, os Direitos Internacionais da Criança, proclamados pela ONU desde 1950. Ademais, foi com a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que o Estado assumiu sua responsabilidade sobre o atendimento integral às crianças e adolescentes, considerando-os sujeitos de direitos, deveres e saberes. Extinguiu-se o termo “menor” e passou a vigorar a expressão “crianças e adolescentes”. No entanto, mesmo com a nova legislação, crianças e adolescentes ainda continuam sendo violentados e expostos a diversas situações de risco.


Palavras-chave


História Social. Situação de Risco. Movimentos Sociais. Crianças e Adolescentes.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26568/2359-2087.2016.1600



Direitos autorais



Revista EDUCA     |     e-ISSN 2359-2087     |     DOI https://doi.org/10.26568

A Revista Educa é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto.

Educa Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Educa es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.